Domingo, 08 de Dezembro de 2019

Ministério da Saúde aponta que vacinação de crianças em Mato Grosso está abaixo do ideal




COMPARTILHE

Em Mato Grosso, dados preliminares do Ministério da Saúde (MS) mostram que a cobertura vacinal de crianças menores de dois anos deste ano está abaixo do ideal. No Estado, os percentuais de imunização ficam entre 53% e 70%. O órgão federal de saúde preconiza a cobertura acima de 90% ou 95%, a depender da vacina.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, de janeiro a agosto deste ano, 68,68% dos meninos e meninas na mesma faixa etária receberam a dose da BCG, que previne contra a tuberculose. Os índices também estão baixos para o rotavírus (66,11%), meningocócica C (67,20%), pneumocócica 10V (70,36%), poliomielite (64,46%), penta (59,44), hepatite A (59,07%), tríplice viral 1ª dose (69,95%) e tetra viral 1ª dose (53,81%).

A queda é nacional nos últimos dois anos (2016 e 2017). Por isso, os dados acenderam o alerta em função do risco da reintrodução de doenças já eliminadas ou erradicadas no país, como a poliomielite, sarampo e rubéola. Ontem, o Ministério da Saúde informou que está atento e lançou uma campanha publicitária impactante que alerta para a importância de manter sempre a vacinação em dia.

O objetivo é mostrar que as baixas coberturas vacinais podem ser perigosas, já que abrem caminho para a reintrodução de doenças já eliminadas no país e que podem até matar. Em nível nacional, os dados mostram que a cobertura vacinal de crianças na mesma faixa etária gira em torno de 50% e 70%. “Mesmo não sendo definitivos, já que estados e municípios podem registrar os dados no sistema até final de março do ano que vem, os índices de vacinação são considerados muito baixos”, avaliou, por meio da assessoria de imprensa, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

Segundo o MS, sob o conceito “Porque contra arrependimento não existe vacina”, as peças publicitárias são impactantes e mostram casos reais de pessoas que sofrem até hoje pela não vacinação. Pela primeira vez, a mascote das campanhas de vacinação do Ministério, o Zé Gotinha, aparece em um tom sério e preocupado. “Há uma tendência de queda na vacinação, são dois anos consecutivos de redução. Nós precisamos reverter esse cenário e não entrar no terceiro ano de baixas coberturas vacinais”, pontuou.

A campanha conta com depoimentos de pessoas que sofreram consequências pela falta da vacinação é o ponto alto da campanha publicitária. Um dos filmes, traz um caso emblemático, o de Eliana Zagui, que tem 44 anos e há 42 anos sofre de uma paralisia severa que a obriga a viver dentro do Hospital das Clínicas de São Paulo. Conforme o órgão federal, ela é tetraplégica e respira com a ajuda de aparelho.

Levantamento de rotina do Ministério da Saúde feito com estados e municípios, em visitas domiciliares na busca de não vacinados, indica como principais causas para essa redução o próprio sucesso do Programa Nacional de Imunizações (PNI), visto que não há mais circulação de algumas doenças no país, como a poliomielite. Outra causa verificada pelas equipes de saúde é a desinformação provocada por boatos de que as vacinas não funcionam ou que trazem graves efeitos colaterais.

A população também indica que o horário de funcionamento das unidades de saúde hoje é incompatível com a jornada de trabalho atual. O perigo é que, o aumento do fluxo migratório da população (sobretudo de países onde essas doenças ainda existem) e a interrupção da vacinação podem provocar a volta ou elevado número de casos de doenças como sarampo, pólio e rubéola, como tem sido identificado em países que estavam livres dessas doenças. 


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia