Terca-Feira, 23 de Julho de 2019

Policia Federal confisca R$ 100 milhões de organização criminosa de Cabeça Brança




COMPARTILHE

Em mais uma ação ostensiva decorrente da chamada operação “Spectrum”, que levou à prisão o megatraficante internacional Luiz Carlos da Rocha, conhecido como “Cabeça Branca”, a Policia Federal (PF) deflagrou, ontem, a operação “Sem saída”, em Mato Grosso e no Paraná.

A ação policial é considera a maior da história da PF na desarticulação patrimonial de organização criminosa com atuação no tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. No Estado, três pessoas foram presas.

Entre elas, o ex-prefeito de Brasnorte (580 quilômetros, ao noroeste de Cuiabá), Eudes Tarciso de Aguiar, detido preventivamente. Em sua quarta fase ostensiva, a “Spectrum” arrecadou ou confiscou aproximadamente R$ 500 milhões em patrimônio da organização criminosa comandada por “Cabeça Branca” até o momento e somente em solo brasileiro. A prisão dele ocorreu no dia 1º de julho do ano passado.

Conforme a PF, dentre os bens sequestrados estão 16 fazendas que somadas representam uma área de aproximadamente 40 mil hectares no Estado. Somente nesta operação “Sem saída”, o patrimônio arrecadado é da ordem de R$ 100 milhões, considerando que somente em fazenda são mais de 11 mil hectares.

A PF destaca ainda a cooperação policial internacional mantida com a Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), cujos números são apontados como extremamente expressivos, pois resultaram no encerramento de 41 empresas, apreensão de 42 mil cabeças de gado e o sequestro de 31 fazendas em solo paraguaio.

A ação policial contou com aproximadamente 100 policiais federais, que cumpriram 18 ordens judiciais em Curitiba (PR) e em Brasnorte, Tapurah, Juara, Nova Maringá e Cuiabá. Destes, foram dois mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária e 14 mandados de busca e apreensão com o objetivo de reunir elementos probatórios da prática dos crimes de lavagem de dinheiro, contra o sistema financeiro nacional, organização criminosa, associação para o tráfico internacional de drogas, dentre outros delitos.

A PF explicou que a denominação “Sem saída” é uma alusão ao fato de que todos aqueles que participaram da organização criminosa ou de alguma forma se associaram a Luiz Carlos da Rocha serão identificados e responsabilizados, pois todas as informações levantadas no curso das investigações estão sendo minuciosamente analisadas, não deixando saída para tais suspeitos.

O ex-prefeito foi conduzido ainda ontem para a sede da PF na capital. Nos próximos dias, ele e demais presos deverão ser levados para Curitiba (PR), onde corre o inquérito e onde permanecerão à disposição da Justiça.

ARMAS E RINHA – Na operação “Sem saída”, a Polícia Federal apreendeu armas, munições, carregadores e diversos apetrechos que eram usados na prática de rinha de galo, em uma das residências, em Cuiabá. Segundo as informações, o imóvel pertence ao ex-prefeito de Brasnorte, Eudes Tarciso de Aguiar. Dono de uma madeireira, ex-prefeito deve responder por organização criminosa e lavagem de dinheiro. Conforme a polícia, sua madeireira tinha atividade lícita, mas teria sido usada na lavagem de dinheiro do megatraficante “Cabeça Branca”. 


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia