Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019

Deputado José Medeiros defende CPI para investigar demarcação da Terra Marãiwatsédé




COMPARTILHE

A Câmara Federal pode ser palco de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o processo de demarcação da reserva indígena Marãiwatsédé/ Suiá Missú, efetivada entre 2012 e 2013, em Mato Grosso.

A investigação foi proposta pelo deputado federal, José Medeiros (Pode), que argumentou, nesta segunda-feira (4), a necessidade de contraprovas e análises periciais dos laudos antropológicos que embasaram a retirada dos 165 mil hectares da posse de pequenos produtores rurais para transformar em terra indígena.

Medeiros acredita que não terá dificuldade de alcançar as 171 assinaturas necessárias para instaurar a CPI na Câmara. O deputado argumenta que a polêmica demarcação na divisa das bacias do Araguaia e Xingú, localizadas no nordeste mato-grossense, foi tratada de maneira ideológica por muitos representantes públicos ignorando os pareceres técnicos e jurídicos. Além disso, não foi levado em consideração o histórico das famílias que por décadas viviam e produziam na região.

“Infelizmente a pauta indígena foi pano de fundo para muita gente alimentar seu fanatismo ideológico durante os governos do PT. Órgãos como a Funai e o Ibama foram utilizados para isso. O que estamos defendendo é a reabertura do processo para que o Brasil tenha a certeza que todos os trâmites técnicos e jurídicos foram realmente respeitados ou se houve algum tipo de direcionamento.

Queremos conhecer a robustez das informações colhidas, confirmar se foram verificadas e dar uma resposta a tantas famílias de pequenos produtores que viram seus entes se suicidarem em função da criação da reserva”, disse o parlamentar. Ele lembra ainda, que cerca de 30 pessoas morreram em função do conflito criado pelos órgãos públicos.

O deputado ressalta que não quer ser artífice de um “novo round” entre indígenas e produtores rurais, mas que considera uma irresponsabilidade, diante de tudo que se descobriu até agora dos governos anteriores, não revisar as deliberações como a Suiá-Missú para que o Brasil se livre de eventuais manchas históricas deixadas nos últimos anos.

“Precisamos saber tudo que envolveu essa demarcação, inclusive se haviam interesses internacionais e a provável interferência de ong’s nacionais e internacionais. Sabemos muito bem que muitas organizações se escondem em causas sociais para servir a interesses econômicos ocultos. O que queremos é a verdade”, conclui Medeiros.


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/norteara/public_html/noticia.php on line 212
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia