Sexta-Feira, 24 de Maio de 2019

Uma a cada quatro cidades brasileiras está com sua água contaminada por agrotóxicos




COMPARTILHE

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, que abrangem o período entre 2014 e 2017, alerta que 1 a cada 4 cidades brasileiras tem sua água contaminada por agrotóxicos. A contaminação seria de 27 agrotóxicos diferentes. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil entrevistou Warwick Manfrinato, engenheiro agrônomo da USP especializado no tema.

Os agrotóxicos foram detectados por empresas de abastecimento de água em 1.396 municípios brasileiros. Dos 27 pesticidas encontrado nas águas dos municípios, 16 são classificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como "extremamente" ou "altamente tóxicos". Ainda, 11 dessas substâncias estariam ligadas ao desenvolvimento de doenças crônicas, tais como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas.

"A agricultura é uma atividade artificial […]. A gente altera muito o sistema para que o sistema possa se adaptar de maneira orgânica, de maneira sistêmica a essa alteração que a agricultura tropical, de larga escala, especialmente, impõe para que a gente possa produzir os alimentos", diz Warwick Manfrinato, engenheiro agrônomo especializado em agrotóxicos e pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), em entrevista à Sputnik Brasil.

O engenheiro defende que a agricultura deva andar em direção a uma produção orgânica e agroecológica, classificando como "inadmissível" que haja esse tipo de efeito detectado sobre as águas em decorrência da presença dos agrotóxicos nos alimentos.

Apesar do levantamento, ainda há um nível de subnotificação, pois a maioria dos 5.570 municípios brasileiros sequer participou do levantamento, deixando 2.931 municípios de fora do estudo. Dos 1.396 municípios analisados, 92% apresentaram algum nível de contaminação em suas águas. O número cresceu e já esteve em 75% no levantamento de 2014.

"Isso não pode acontecer. Não é para isso que os agroquímicos foram produzidos. Eles foram elaborados para que possam ser usados com a […] máxima segurança possível e o mínimo impacto para as pessoas", aponta Manfrinato. "É inadmissível que o alimento chegue contaminado à mesa do consumidor".

Para o especialista, no entanto, a liberação de agrotóxicos durante o governo Bolsonaro, tida como a mais acelerada desde 2010 durante os 100 primeiros dias de governo, pode ser vista como uma ação política mas que ao mesmo tempo facilita a entrada, no Brasil, de novas tecnologias químicas de menor. Apesar disso, 28% dos 152 agrotóxicos liberados no período são proibidos na União Europeia.

A responsabilidade da situação apontada pelos dados do Ministério da Saúde, explica Manfrinato, é ampla e abrange desde a indústria química aos agrônomos que levam esses produtos às plantações, além dos órgãos fiscalizadores e dos próprios agricultores. Manfrinato aponta que a detecção de excesso demonstra falta de preparo produtores, tendo vista que denota má aplicação e uso dos agrotóxicos nas plantações.

Para o engenheiro, a solução para o atual estado apontado pelo Ministério da Saúde passaria tanto pela disponibilização no Brasil de químicos menos poluentes, quanto de uma fiscalização mais rígida, que ao liberar o uso das substâncias acompanhe sua distribuição e aplicação. O mote dessas medidas seria o uso responsável das substâncias.

"O consumidor precisa ter essa proteção, tanto do Estado, quanto das organizações observadoras, para que essas novas tecnologias disponíveis, ou esses novos agroquímicos, agrotóxicos, disponíveis no mercado, possam ser controlados", conclui o engenheiro agrônomo.


Autor: AMZ Noticias com Sputnik Brasil


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/norteara/public_html/noticia.php on line 212
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia