Terca-Feira, 20 de Agosto de 2019

Produtores de Mato Grosso investem em crotalária para aumentar produtividade de soja




COMPARTILHE

A soja só começa a ser cultiva em setembro, mas produtores da região sudeste do estado já investem com tratamento do solo, com o objetivo melhorar a produtividade. Para isso, em vez de milho, muitos estão apostando no cultivo da crotalária, que além de proteger o solo, faz o controle de nematóides.

Em uma propriedade rural de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, os proprietários conseguiram melhorar a produtividade de soja, depois de investir no cultivo de crotalária como segunda safra.

De acordo com o gerente Everton Appelt, além de reduzir a população de nematóides, a crotalária, por ter raízes longas, consegue buscar nutrientes na parte mais profunda do solo e trazê-los à superfície, fazendo com que o solo fique mais rico para a semeadura da soja.

“Os nematóides são vermes que atacam a lavoura e atrapalham o desenvolvimento da planta. No caso da soja, ele interfere diretamente no índice de produtividade”, explicou. Para garantir que a cobertura do solo também seja rica em palha, a fazenda apostou no consórcio entre crotalária e braquiária.

“A crotalária tem pouca palha e, como o objetivo é ter palha para forrar o solo nas áreas mais arenosas, também apostamos na braquiária", complementou Everton. O acúmulo de palhada beneficia o armazenamento de água e diminuí a temperatura direta no solo. Essa proteção ajuda o produtor a ter melhores resultados na safra de soja.

A espécie de crotalária usada nessa experiência também tem capacidade de fixar o nitrogênio e incorporá-lo mais facilmente ao solo. Em razão da eficiência da planta, os donos da fazenda reservaram 100 hectares só pra produzir as sementes da crotalária. A expectativa é colher 500 quilos de sementes por hectare. Produção que não deve ser vendida.

"A gente planta para consumo próprio, assim conseguimos reduzir o custo de produção. Por isso, a gente colhe, beneficia e deixa guardado no armazém pra próxima safra", relatou o gerente técnico. Ainda segundo ele, uma lavoura de soja onde não são feitas rotações de cultura, a estima-se de 15% a 20% menos de produção, no caso da soja.


Autor: Emerson Sanches com TVCA


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia