Quarta-Feira, 21 de Agosto de 2019

Igreja Presbiteriana do Brasil comemora 160 anos de fundação neste dia 12 de agosto




COMPARTILHE

Era 12 de agosto de 1859, quando o Reverendo estadunidense Ashbel Green Simonton, desembarcou em solo brasileiro para dar início à Igreja Presbiteriana do Brasil. À viagem aconteceu apenas dois meses após a sua ordenação pastoral.

Simonton queria ser professor ou advogado, mas um reavivamento no ano de 1855 o fez despertar para sua profissão de fé. Pouco tempo depois, ingressou no Seminário de Princeton, para a preparação para o Sagrado Ministério.

 Ele era um jovem missionário, de apenas 26 anos, quando selecionou o Brasil como um campo pretendido para seu ministério, após conhecer o trabalho da Junta de Missões da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos. O testemunho pessoal de um homem, sua história de despertamento missionário e investimento na evangelização em um local distante de sua pátria, foram algumas das formas usadas por Deus para iniciar um movimento que hoje impacta milhões de vidas.

O missionário chegou ao Rio no intuito de divulgar a fé reformada, como uma terceira tentativa de disseminar o protestantismo nas terras brasileiras. É que em duas oportunidades anteriores, expedições francesas e holandesas, respectivamente, não tiveram sucesso.

A primeira, com os franceses, teve como fruto o primeiro culto protestante no Brasil e a Confissão de Fé de Guanabara que foi o primeiro escrito protestante no Brasil e de todo o Continente Americano em 1558. Já em 1630 com os holandeses, em Pernambuco, houve até mesmo a criação de igrejas protestantes, mas com a “devolução” do nordeste à Portugal, país católico, a iniciativa perdeu força.

Apesar de possuir oficialmente pouco mais de 650 mil membros, distribuídos em mais de 05 mil igrejas locais e congregações em todo o país, a Igreja Presbiteriana do Brasil é uma das importantes entidades nos trabalhos de educação e saúde do pais tendo como braços, instituições como a Universidade Mackenzie.

O estado de Rondônia é o que apresenta o maior percentual de presbiterianos, cerca de 1,2% da população. O estado do Piauí tem o menor percentual, com menos de 0,1% da população identificando-se como presbiterianos. Por causa disso a igreja tem investido em missões no estado nordestino. Entre os municípios brasileiros, destaca-se Palestina de Goiás, em que 10,2% da população é presbiteriana e Alto Caparaó em Minas Gerais em que 24,2% da população é presbiteriana.


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia