Segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019

Gado com chip será garantia de crédito em projeto de contratação para empréstimos rurais




COMPARTILHE

Um chip pendurado na orelha do boi permitirá que pecuaristas ofereçam o animal em garantia ao banco para a contratação de empréstimos rurais. A modalidade, amplamente usada para financiar casas e automóveis, é conhecida por alienação fiduciária. No campo, poderá ser uma opção para produtores rurais obterem crédito sem a necessidade de alienar a fazenda inteira.

Em parceria, Santander e Bosch estudam alternativa para melhorar os processos de garantia na concessão de crédito por meio de sistema de monitoramento do gado. O projeto está em fase piloto. Não há previsão de lançamento. Atualmente, as taxas praticadas no setor rural, divulgadas pelo Banco Central, são de 9,1% no crédito livre para pessoa jurídica e 6,5% no crédito direcionado. Para pessoa física, os juros são de 10,1% e 6,6%, respectivamente.

Segundo o Santander, as taxas não serão reduzidas com a nova garantia, mas a iniciativa atende demanda que vinha sendo feita por pecuaristas.Alguns, de acordo com o banco, já tinham o bem alienado e não conseguiam acessar novos empréstimos. "O produtor que busca hoje uma linha de crédito com juros menores tem de dar como garantia sua fazenda e, muitas vezes, tudo o que tem dentro dela", disse Thiago Bernardino, economista agrícola e pesquisador do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

A pecuária, diz, é uma atividade com retorno financeiro a médio e longo prazo. No entanto, o produtor continua investindo capital para custear novos animais, cuidar do gado, garantir a qualidade da pastagem e recorrer ao confinamento em épocas de seca. "O crédito nesse setor costuma ter o papel de ajudar o pecuarista até o momento da comercialização", disse. O sistema de monitoramento do projeto, na opinião do pesquisador, diminui riscos para pecuaristas e instituições financeiras. O banco, disse ele, mantém o controle da garantia enquanto o produtor usa a tecnologia para acompanhar a evolução dos animais.

Paulo Rocca, vice-presidente da Bosch no Brasil, afirmou que o mecanismo desenvolvido em 2017 pela empresa viabiliza nova forma de emprestar dinheiro. Antes de pedir o crédito, o pecuarista precisará contratar o sistema da Bosch, que tem custo. A ferramenta inclui balanças de pesagem fixas e móveis, etiquetas eletrônicas de identificação para os animais e um sistema de software para rastreá-los.

No projeto, o pecuarista poderá escolher entre duas modalidades para contratar o empréstimo. O primeiro modelo, disse Rocca, oferecerá recursos para monitorar o rebanho. "Com o segundo módulo, o produtor também poderá acompanhar a curva de crescimento do gado e comparar o efeito de troca de alimentos entre animais da fazenda", afirmou Rocca.

"Estamos fazendo adaptações no dispositivo porque agora o boi será uma garantia e precisará ser monitorado o tempo todo", disse. O sistema, segundo ele, está sendo aprimorado para lidar com riscos e adversidades. Situações como a perda de conexão com a rede de monitoramento e o desaparecimento de animais estão sendo aplicadas aos algoritmos do software. As experiências são colhidas em testes do projeto com pecuaristas. "A responsabilidade dos riscos será analisada caso a caso na parceria. Mas, se apenas um animal morrer, por exemplo, é provável que o custo de sua reposição seja do proprietário", afirmou Rocca.


Autor: Mariana Grazini com Diário de Cuiab


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia