Segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019

Dados federais mostram que a China comprou quase metade da produção do Pará em 2018




COMPARTILHE

As exportações paraenses tomaram impulso em maio, depois que a indústria extrativa mineral do estado se recuperou das fortes chuvas que derrubaram a produção física nas minas de Carajás.

Em julho, o Pará chegou, pela primeira vez, ao topo das exportações, ocupando o 2º lugar nacional atrás de São Paulo e destronando poderosíssimas praças como Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Já em agosto, segundo o Ministério da Economia, que liberou durante a semana dados da balança comercial referentes ao mês passado, o estado encostou, no geral, no Mato Grosso, de quem deve tomar o 5º lugar até o final do ano. De janeiro a agosto, o Pará exportou 11,34 bilhões de dólares em commodities. O Mato Grosso, ligeiramente à frente, transacionou 11,41 bilhões de dólares.

Vale destacar que o Pará também ultrapassou o Paraná este ano e até o final de 2020 deve passar o trator no Rio Grande do Sul. Os dois estados sulistas tiveram consideráveis baixas nas exportações deste ano em relação a 2018, enquanto o estado nortista transacionou até o momento 1,2 bilhão de dólares a mais em relação ao ano passado. Confira ao lado quanto os principais importadores de produtos paraenses já compraram do estado!

A razão para o crescimento exponencial das exportações paraenses é uma só: a China. É que o país asiático é o maior apreciador de um produto que só é encontrado em solo paraense: minério de ferro com teor de pureza acima de 65%. A commodity originária das minas de Carajás deixa os chineses enlouquecidos porque o governo local impôs políticas severas de controle e combate à poluição, e o produto paraense é o principal aliado do país em sua pretensão ambiciosa de seguir crescendo, mas sem descumprir normas.

Por seu elevado grau de pureza, o minério de Carajás emite menos carbono ao meio ambiente durante o processo de transformação siderúrgica. Não à toa, a China comprou 47,5% de tudo o que o Pará exportou nos oito meses deste ano, seguido de muito longe pela Malásia, que comprou 8,6%, e pelo Japão, que importou 3,9% dos produtos paraenses.

Sozinha, a China devorou 5,38 bilhões de dólares, praticamente metade do exportado pelo Pará. É um volume tão impressionante que chega a ser superior às exportações inteiras, para todos os lugares do mundo, da Bahia. 


Autor: AMZ Noticias com Zé Dudu


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia