Sábado, 19 de Outubro de 2019

Produtores do Pará tentam manter preservação da Amazônia, mas crimes continuam




COMPARTILHE

Uma equipe do Globo Rural voltou à região de Paragominas, no Pará, 5 anos depois da última visita, para conferir a atividade agropecuária da região que faz parte da Amazônia Legal.

Há cerca de 10 anos, a cidade fazia parte de uma lista negativa do Ministério do Meio Ambiente por ser uma das principais desmatadoras da floresta amazônica.

Com esforço do poder público, população local, agricultores e pecuaristas, Paragominas conseguiu sair das primeiras posições do ranking de devastação e hoje serve como modelo de recuperação ambiental. Mesmo com toda mobilização, os crimes ambientais continuam. 

O passado - Paragominas é uma homenagem a três estados: Pará, Minas Gerais e Goiás. Foi de onde vieram os primeiros pecuaristas e agricultores para ocupar esse município localizado na Amazônia. A região chegou a ter 300 serrarias em atividade, destruiu 45% da mata nativa do seu território, 879 mil hectares de floresta, uma área do tamanho da região metropolitana de São Paulo. Um desmatamento que trouxe consequências para o agronegócio. O presidente do Sindicato Rural de Paragominas, Murilo Zancaner, explica que a venda de soja foi embargada por causa dos problemas ambientais do município.

O que acontece hoje - O primeiro problema que a equipe localizou nesta volta à cidade foi o desmatamento de 100 hectares de floresta amazônica. A imagem de satélite feita em maio de 2018 mostrava uma área densa de árvores, só que, mais de um ano depois, praticamente não sobrou quase nenhuma árvore em pé. O secretário municipal de Meio Ambiente, Felipe Zagalo, diz que autorizou o dono da fazenda a arrancar a vegetação porque se tratava de uma área que já foi desmatada no passado.

Já para a diretora de fiscalização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Pará, Andréia Coelho, foi desmatamento ilegal. Ela afirma que haverá punições para o produtor rural."Nós elaboramos um relatório, para que essa área seja definitivamente embargada", diz Andréia. O Globo Rural tentou contato com o proprietário da fazenda, não houve retorno.

Madeira sem documentação - Outro problema foi encontrado nas rodovias da região. A reportagem percorreu as estradas durante a noite para ver se havia caminhões transportando madeira de forma ilegal. Não precisou muito e foi encontrado um caminhão quebrado. Na carroceria dele estavam 11 toras de roxinho, uma madeira nativa cobiçada pela cor e durabilidade. Questionado, o motorista não tinha a documentação das madeiras e não soube responder sobre a origem do produto.

Caça de animais silvestres - Na manhã seguinte, mais um flagrante, desta vez em terra indígena. Agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai) e policiais federais apreenderam três motos, um caminhão, carne de tatu silvestre e 50 toras de madeira.

O flagrante aconteceu na aldeia do povo indígena Tembé, que tem 280 mil hectares, onde vivem cerca de 500 famílias, mas 70% desse território já sofreu algum tipo de dano ambiental. O porta-voz da etnia, Valdecir, reclama da falta de apoio na fiscalização da área. "Hoje, esse apoio (do governo federal) é praticamente é zero. Ele não existe, a gente tem se mobilizado, nós indígenas, com os nossos próprios guerreiros", afirma.

Cemitério de árvores - Nas margens da terra indígena, bem na divisa da área protegida, um exemplo do avanço do desmatamento. Lá está localizado um cemitério de árvores. As marcas nos troncos revelam houve queimadas. Há capim plantado e, aos poucos, a mata vai dando lugar para a pastagem. Foi possível perceber que os criminosos estão derrubando e cortando as árvores no mesmo local. Na área, o Globo Rural encontrou uma árvore com pelo menos 40 metros de altura derrubada neste cemitério.

Busca pela preservação - Como são crimes ambientais sem solução, ainda não é possível dizer quem são os responsáveis e se eles têm ligação com o agronegócio. O que se sabe é que, após o pacto entre produtores rurais e população, Paragominas conseguiu reduzir a área desmatada em 9 anos de 7 mil hectares para 1,8 mil hectares por ano. De janeiro até setembro, o município já aplicou R$ 13,8 milhões em multas por crimes ambientais e embargou mais de 2 mil hectares. Um trabalho que deu a cidade o título de "município verde". "Nós fizemos um pacto pelo desmatamento zero, tiramos o pessoal que estava aqui só para explorar a região, tirar madeira e tal... (que) não era comprometido com a região", afirma o presidente do Sindicato Rural, Murilo Zancaner.

Pecuária de precisão - Mauro Lúcio Costa é dono de 4.356 mil hectares e tem 80% da fazenda preservada. Cerca de 880 hectares foram desmatados e 480, usados para pecuária de corte. Segundo ele, para evitar a abertura de novas áreas, o desafio era engordar cada vez mais bois, utilizando o mesmo espaço. Então, ele resolveu investir nas pastagens.

Enquanto a média brasileira é de uma cabeça de gado por hectare, o pecuarista consegue quase 4 animais por hectares o ano inteiro. "Quanto mais você aumenta a taxa de lotação, mais você reduz os custos fixos", explica. Além disso, todo o processo de engorda é rigorosamente controlado e tabelado. É a chamada pecuária de precisão, onde os animais são vistos, pesados, avaliados e cadastrados individualmente.

Minimizar impactos - Mauro Lúcio Costa também faz a restauração das áreas degradadas da fazenda. Entre um piquete e outro plantou bosques com espécies nativas da Amazônia e exóticas, como o mogno africano.  "Minha ideia nisso daqui é minimizar o impacto da minha atividade dentro da biodiversidade", afirma.

O pecuarista afirma que não espera receber mais pela carne por causa do trabalho de preservação. "Ninguém vai me pagar por preservar, ninguém paga os outros por andar na lei. Eu querer receber por uma floresta que a legislação me obriga a ter é utopia", afirma Costa. “O que eu acho que eu devo fazer é eu ter a floresta que eu tenho, ela servir, ir no rótulo do meu produto como ecologicamente correto, como um produto que respeita o meio ambiente, aí eu teria uma abertura maior de mercado”, explica.

Carbono neutro- A 50 quilômetros da propriedade de Mauro Lúcio Costa, mais um exemplo de produção sustentável na Amazônia. A propriedade visitada faz parte de um seleto grupo de dez fazendas escolhidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para sediar a pesquisa de carbono neutro no Brasil. O motivo é que o gás metano, nocivo à atmosfera, é formado no processo digestivo dos bovinos, lançado na atmosfera pelo arroto. A pesquisa mostrou que capins ricos em fibras e nutrientes diminuem a formação de metano.

Associado a isso, há também o plantio de corredores de floresta a cada 25 metros nos piquetes, assim os animais podem usar a sombra para se abrigar do sol, gerando conforto térmico. O estudo mostrou que o gado criado nessas condições têm ganho de até 20% a mais na produção de carne em relação aos animais que ficam em áreas desprotegidas.

Sem derrubar árvores - Quem administra a fazenda onde ocorre a pesquisa de carbono neutro é a produtora rural Berenice Bueno, de 27 anos. A propriedade tem 5 mil hectares preservados. Ela afirma que não é preciso derrubar mais nenhuma árvore para aumentar a produção da fazenda.

O pesquisador da Embrapa Adriano Venturieri explica que é possível utilizar apenas as áreas que já existem para uma pecuária produtiva. "É muito mais vantagem o produtor recuperar essa área usando tecnologia, sem a utilização do fogo, com isso ele vai ter uma área muito mais produtiva", diz.

Na Amazônia, existem mais de 10 milhões de hectares de pastagens degradadas, uma área maior que o estado de Pernambuco inteiro, que poderia ser recuperada por tecnologia que já existe. Segundo estimativas, o Brasil tem entre 60 e 100 milhões de hectares cobertos com pastagens degradas, ou seja, a pecuária tem muita área disponível para crescer, sem derrubar uma árvore sequer.


Autor: AMZ Noticias com G1


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Norte Araguaia