Terca-Feira, 11 de Agosto de 2020

Sedap apresenta plano estratégico para desenvolvimento de cadeias produtivas do Pará




COMPARTILHE

A Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca do Pará (Sedap) apresentou na ultima semana o plano estratégico para desenvolvimento de cadeias produtivas do Pará. A ação visa impulsionar o agronegócio e gerar emprego e renda para o Estado. A apresentação ocorreu no Palácio dos Despachos.

De acordo o plano, o Governo do Estado pretende valorizar as cadeias produtivas e identificando os obstáculos que elas precisam superar para ajudar no desenvolvimento do Estado. O plano é de extrema importância, pois busca não somente aumentar a produção, mas também gerar emprego e renda para o Pará”

O plano foca em sete cadeias produtivas do Estado – cacau, dendê, açaí, grãos, mandioca, pecuária e aquicultura, mostrando a potencialidade de crescimento de cada uma delas no Pará, e pensando no avanço e desempenho de elevação tanto de produção quanto de rentabilidade de cada cadeia.

“A expectativa de crescimento com esse plano é que tenhamos um aumento de 25% de áreas plantadas e de 26% de área colhida nesses sete segmentos, além de aumentar 46% do valor da produção e 38% nas exportações. E o mais importante é a possibilidade de um aumento de 36 mil postos diretos de trabalho, alta de 13% em relação ao que a gente vivencia hoje. O plano também tem foco especial na pecuária, com um planejamento de quatro anos (2020-2023), prevendo tornar o Pará o primeiro produtor de cabeça de gado do Brasil”

A cadeia produtiva não é somente produzir, mas também, verticalizar a produção, por esse motivo, a regularização fundiária é de extrema importância nesse processo. Segundo o presidente do Iterpa, Bruno Kono, a regularização acaba sendo transversal nesse processo produtivo, pois não trata apenas de garantir a segurança jurídica do produtor, mas faz com que ele tenha paz para produzir, tendo um instrumento jurídico que vai ajudá-lo a acessar créditos, por exemplo.

“E é justamente no acesso ao crédito que o Iterpa participa dentro do conceito de cadeia produtiva, ou seja, damos a oportunidade para que o produtor acesse o recurso e consiga melhorar a produção dele, implantando novas tecnologias mais sustentáveis, que deem mais resultado”, explicou Kono.

O presidente do Instituto de Terras ressaltou que a regularização fundiária serve para que o produtor rural tenha um ativo que possa ser utilizado para ele fazer uma captação de recurso financeiro e, assim, investir na sua produção.

“Com isso, ele melhora a quantidade, preenchendo os requisitos técnicos para que essa produção tenha uma aceitação no mercado, sendo responsável não apenas pela ocupação dele, mas também pela renda”, pontuou. Além das parcerias com entidades governamentais, o plano estratégico para desenvolvimento de cadeias produtivas no Estado do Pará conta com o apoio da iniciativa privada. 


Autor: AMZ Noticias com Assessoria


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias