Domingo, 09 de Agosto de 2020

Veja como a ‘naja de Brasília’ ganhou a internet e abriu um alerta sobre o tráfico de animais




COMPARTILHE

Ainda que tenha passado por maus bocados até ir parar Zoológico do Distrito Federal, a ‘naja de Brasília‘, como ficou conhecida a serpente que picou o estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, no ultimo dia 07 de julho.

O estudante criava ilegalmente o réptil em casa, teve um final que, se não puder ser considerado feliz, ao menos é curioso. No primeiro momento, o incidente com a cobra fez com que se levantasse a suspeita de que o jovem poderia ter a comprado em um esquema de tráfico de animais silvestres.

Na mesma semana, após uma denuncia anônima, foi encontrado na casa de um dos amigos do estudante outras 16 cobras exóticas criadas ilegalmente. O nome dele não foi divulgado, mas, para a polícia, o criadouro mostrou indícios de que se tratava de um negócio, com a intenção de reprodução dos animais para a venda. Além das serpentes, foram encontrados outros espécimes aquáticos, cobras e aves, incluindo um tubarão lixa.

Continua após a publicidade - Após a repercussão em todo o país, a naja de Brasília atingiu uma fama, digamos assim, memética. Nas redes sociais, ela ganhou perfis e fotos com legendas que ironizam o acidente levando em conta que ela libertou outros animais cativos. Também, ganhou um ensaio fotográfico realizado na sexta-feira (10), de autoria do fotógrafo e agrônomo Ivan Mattos, que trabalha como voluntário no Zoológico de Brasília.


Autor: AMZ Noticias com MSN


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias