Quarta-Feira, 03 de Marco de 2021

Conselheiro afastado após delação de ex-governador reassume vaga no TCE-MT




COMPARTILHE

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), Valter Albano, vai reassumir a vaga no órgão nesta quarta-feira (26), depois de conseguir uma decisão favorável ao retorno no Supremo Tribunal Federal (STF), segundo informou o próprio TCE-MT.

Com o retorno de Albano, o conselheiro substituto Moisés Maciel deixa de integrar o Pleno do TCE. Albano e outros quatro conselheiros do órgão foram afastados desde 2017, depois de uma decisão do próprio STF. Os outros continuam afastados. Na análise do recurso do conselheiro, o ministro Gilmar Mendes afirmou que houve excesso de prazo na ação, o que justifica a volta de Albano ao TCE.

"O ministro Raul Araújo, ao prestar informações, enfatizou que a decisão monocrática que deferiu as medidas cautelares foi proferida em 31 de agosto de 2017. São decorridos portanto quase 3 anos desde a sua decretação. Nesse período a investigação prosseguiu e os autos que â época tinham 121 páginas, hoje tem 10 volumes e mais de 2,5 mil páginas. Ainda que o feito seja complexo, já tramita há quase 3 anos. A meu ver, a medida cautelar já dura além do aceitável, sem o oferecimento de denúncia. Ademais os fatos são de 2014, sendo que o governador não mais está na gestão estadual. Verifico, portanto, ilegalidade por prazo excessivo", disse Gilmar Mendes.

O afastamento foi determinado depois que o ex-governador Silval Barbosa disse, em acordo de delação premiada, que o governo pagava propina aos membros do TCE. De acordo com Silval Barbosa, os conselheiros exigiram propina para não prejudicarem o andamento das obras da Copa do Mundo, no estado. Ele disse ter pago R$ 53 milhões.

Os gabinetes desses conselheiros foram alvos de busca e apreensão da Polícia Federal na Operação Malebolge, que investigou desvio de dinheiro público, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro. Ao todo, a PF e o MPF cumprem mandados em 64 endereços, em Mato Grosso, Brasília e São Paulo.  Segundo o MPF, a organização criminosa atuou durante 2006 e 2014 no alto escalão do governo de Mato Grosso.

PROPINA - O ex-governador Silval Barbosa disse em depoimento à Procuradoria Geral da República (PGR) ter emitido notas promissórias ao conselheiro José Carlos Novelli, que à época era presidente do TCE-MT, para que o órgão não dificultasse o andamento de obras da Copa em Cuiabá.

De acordo com o depoimento do ex-governador, Novelli o procurou alegando que os conselheiros estavam “descontentes” com as obras da Copa, do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) no estado e as obras do MT Integrado, programa de pavimentação.

 

Para não prejudicar as obras, Silval afirmou que os conselheiros pediram R$ 70 milhões em propina, mas que, após negociações, ficou acertado o pagamento de R$ 53 milhões, em 18 meses. Ao todo, segundo Silval, foram emitidas 36 notas promissórias.


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias