Quarta-Feira, 21 de Abril de 2021

Proposta para plebiscito sobre o VLT Cuiabá esta "engavetado" na Assembleia desde 2020




COMPARTILHE

Desde setembro de 2020 está parado na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, um decreto legislativo que propõe a realização de um plebiscito na região metropolitana de Cuiabá para saber se a população quer ou não a conclusão das obras do veículo leve sobre trilhos (VLT). 

De autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB), a consulta proposta teria o questionamento sobre as obras do modal que estão paralisadas desde dezembro de 2014. "O sistema de transporte coletivo VLT – Veículo Leve sobre Trilhos, na Região Metropolitana (Cuiabá e Várzea Grande) deve ser concluído ou não?", diz o artigo 2 da proposta. 

O decreto foi apresentado antes mesmo do governador Mauro Mendes (DEM) ter anunciado o "enterro" do VLT e a troca do modal para o BRT (Buss Rapid Transit). No artigo 3º da proposta do tucano, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT), ficaria responsável para garantir a gratuidade nos meios de comunicação de massa para que os favoráveis ao VLT e  os contrários apresentassem suas campanhas. 

Na justificativa, Wilson Santos afirma que os mato-grossenses estão "estarrecidos" com notícias negativas sobre as obras do VLT. "Indiscutivelmente a maior indignação respalda-se na paralisação das obras transformadas em entulhos inconvenientes rasgando e destruindo a paisagem urbana das duas mais importantes cidades do Estado. Tal cenário é o símbolo do descaso da coisa pública e falta de respeito com o cidadão", diz trecho de sua explicação. 

O tucano lembra que denúncias de desvio de dinheiro travaram o andamento dos trabalhos, com a deflagração da Operação Descarrilho da Polícia Federal, em 2017.  "A crescente polêmica para mudar a implantação no sistema para BRT não permitem que uma decisão de tamanha relevância e responsabilidade fique apenas sobre os ombros do Chefe do Poder Executivo".

Santos ainda afirma que o plebiscito seria uma forma de "dar voz aos milhares de usuários do sistema que até o presente momento não forma consultados e são eles os maiores interessados e beneficiários". 

A reportagem procurou o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (DEM), para saber o motivo do decreto legislativo nunca ter sido apreciado. Porém, não foi localizado para comentar. Ontem (4), durante  a audiência pública na Assembleia, Botelho chegou a afirmar que um plebiscito não poderia ser viável, e que poderia atrasar a implementação do BRT. 

"Tudo que acontecer para retardar é ruim. Temos que trabalhar para que saia o mais rápido possível. A população está cansada de tudo que está ai. Então temos que unir esforços para realmente realizar", disse durante entrevista com a imprensa.  O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que participou da audiência, pediu para que algum parlamentar apresentasse a proposta de plebiscito.


Autor: AMZ Noticias com Gazeta Digital


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias