Sexta-Feira, 17 de Setembro de 2021

Pará lidera o ranking de casos de sarampo no país com 129 confirmações em 01 ano




COMPARTILHE

O Pará lidera o ranking de casos de sarampo no país, doença que já estava erradicada e voltou a se proliferar. Desde junho do ano passado até o dia 10 de maio, 129 casos foram confirmados no estado.

Os números divulgados pelo Ministério da Saúde preocupam, mas segundo a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), ainda não há registro de óbitos em 2019. Duas pessoas morreram em 2018.

Os municípios com mais casos confirmados, entre junho de 2018 e maio de 2019 no Pará, foram: Santarém (42), Prainha (39), Monte Alegre (16), Belém (9), Curuá (8), Juruti (6), Jacareacanga (4), Itaituba (2), Alenquer (1), Aveiro (1) e Faro (1). Os perfis dos pacientes confirmados eram do sexo masculino (53,3%), faixa etária < 1 ano (23%), seguida de 20 a 30 anos (18,2%). A partir de casos suspeitos, 13.9.587 pessoas foram vacinadas em bloqueios vacinais.

Há três anos, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Mas, em março deste ano, o MS confirmou à Opas um caso de sarampo endêmico ocorrido no Pará, em fevereiro. Surtos ocorreram também nos estados do Amazonas e Roraima, todos iniciados em 2018. Assim, o Brasil perderá a certificação de país livre da doença e precisa iniciar um plano para retomar o título dentro de 12 meses. A Sespa informou que independente da campanha, a vacina contra o sarampo, nas versões triviral e tetraviral, está disponível o tempo inteiro nas unidades básicas de saúde por pertencer ao calendário oficial de vacinas do SUS.


Autor: Redação AMZ Noticias


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias