Domingo, 20 de Junho de 2021

Centenas de crianças portadoras de HIV/AIDS no Pará estão sem xaropes e podem ir a óbito




COMPARTILHE

No Pará, centenas de crianças com HIV/Aids estão sem os xaropes Zidovudina (AZT) e Efavirenz. Os produtos formam um esquema de três e, na ausência de um deles, as crianças não podem tomar os outros. Dessa forma, os pequenos ficam ainda mais fragilizados, os cabelos caem, adoecem e podem até morrer. Os xaropes estão em falta há dois meses e devem ser distribuídos todos os meses, exclusivamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  Somente na Unidade de Referência Especializada Materno Infantil (Uremia) 300 crianças estão sem os produtos. Na Casa Dia, também em Belém, a situação se repete.

As denúncias partem do Fórum Paraense de ONG e Aids, e das mães das crianças. Uma delas procurou inclusive o Ministério Público Federal (MPF), na semana passada. O MPF encaminhou questionamentos aos órgãos competentes e estabeleceu prazo para o envio das respostas até o próximo dia 21.

Segundo a lavradora Maiara Ribeiro, 31 anos, que mora em São Miguel do Guamá, nordeste do Pará, mesmo sem condições financeiras, em um mês já seis vezes em busca do AZT para seu filho, que tem oito anos e necessita do xarope. “Há um mês, não tem o xarope na Uremia, onde não há informação precisa sobre o que acontece, que o governo federal não está mandando, nem previsão de quando terá. Além do meu filho, 299 crianças estão sem conseguir também na Uremia. Na Casa Dia o Efavirenz também está em falta. Meu filho faz o esquema com mais outros dois xaropes: Nevirapina e Lamivudina”.

A mãe vive aflita e explicou que quando ocorre a falta de um xarope seu filho não pode tomar os outros, e a entrega dos xaropes nunca é regular prejudicando a saúde do menino. “Sempre falta algum. Desse jeito, a vida dele é prejudicada muitas vezes, porque o tratamento sempre é interrompido pela falta de uma ou outra medicação. Meu filho já quase veio a falecer pela falta da medicação. Ele fica com febre constante, emagrece muito, tem falta de apetite e queda de cabelo. Sem a medicação todas essas crianças vão morrer”, emocionada, disse a lavradora.

Mas não somente o Zidovudina está em falta para as crianças. Segundo Amélia Garcia, membro do Fórum Paraense de ONG e Aids, há cerca de dois meses, os pequenos estão sem o xarope Efavirenz. “Sabemos que o Efavirenz também está em falta para centenas de crianças, há cerca de dois meses. Com isso, fizemos a mobilização no Pará para denunciar. A Sespa diz que não chega e o Ministério da Saúde diz que vai comprar, mas tudo é em caráter licitatório e demora muito, e sempre prejudica os pacientes. Soubemos que, na semana passada, um laboratório doou xarope Zidovudina para um mês para o Pará, mas ainda não chegou”, reclamou Amélia Garcia.


Autor: AMZ Noticias com G1


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias