Sábado, 08 de Maio de 2021

Governo de Mato Grosso diz que não tem condições de comprar vacina contra a Covid-19




COMPARTILHE

Em meio à polêmica sobre a obrigatoriedade ou não da vacinação contra a Covid-19, o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou que Mato Grosso não tem capacidade financeira para arcar com o custo da imunização da população e precisará do auxílio do Governo Federal.

Mas, Figueiredo acredita que a União não vai descumprir a legislação e deverá imunizar as pessoas contra o novo coronavírus. A posição foi dada na quarta-feira (28), durante o lançamento do programa “Mais MT”, que prevê investimento da ordem de R$ 9,5 bilhões em praticamente todos os setores, inclusive, na área da saúde estadual.

Na semana passada, o governador Mauro Mendes (DEM) participou de uma reunião, por videoconferência, com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e recebeu a garantia de que o Estado receberia o primeiro lote da Coronavac, ainda em janeiro de 2021.

Um dia depois, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contrariou o ministro e disse que não faria a compra da vacina da China. Do laboratório Sinovac, o imunizante está em teste e conta com a parceria com o Instituto Butantan, que fica em São Paulo. No país, a única unidade da Federação que está fazendo a aquisição, até o momento, é São Paulo.

“Nem todos os estados têm capacidade financeira para bancar uma operação dessa natureza. O plano nacional de imunização preconiza a obrigação do governo Federal de atender essa demanda do país. Quero crer que, tão logo tenhamos uma vacina, o Ministério da Saúde fará a aquisição e distribuição para todos os estados”, disse o secretário, evitando polemizar ainda mais o assunto.

Ele também observou que, caso não haja outra alterativa, o Governo de Mato Grosso irá se debruçar e buscar uma solução, embora prefira acreditar que o Ministério da Saúde fará sua parte e aportar os recursos necessários para a imunização da população.

Inclusive, as conversas com a União são para que os estados recebam as doses necessárias. “Logo tenhamos a vacina disponível, o Ministério da Saúde fará as atribuições e a distribuição para todos os estados, essa é a vontade e o que pensa todo secretário de saúde do país”, disse Figueiredo.

SUPREMO - A polêmica sobre a vacinação foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF), que deve apreciar em novembro três ações movidas por partidos políticos que discutem questões relativas à imunização contra Covid-19.

Duas principais linhas principais devem ser discutidas: exigir vacinação obrigatória da população ou impor restrições para quem não se vacinar, como impedir determinados tipos de viagem. Embora o Brasil tenha um programa nacional de imunização reconhecido internacionalmente pela sua eficácia, não há uma lei que obrigue vacinação no país. A exceção é a imunização compulsória em crianças, prevista em lei desde 1970.


Autor: AMZ Noticias com Diario de Cuiaba


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias