Domingo, 09 de Maio de 2021

Vereador diz que secretária de Saúde de Cuiabá foi omissa e "não tem controle" sobre a Pasta




COMPARTILHE

Após cinco horas de sessão na Câmara de Cuiabá nesta terça-feira (27), o vereador Dilemário Alencar (Podemos) afirmou que a secretária de Saúde de Cuiabá, Ozenira Félix, mostrou não ter controle sobre a pasta que gerencia.

A afirmação foi feita após a secretária e sua equipe não conseguirem responder quanto foi gasto pela Prefeitura com a compra de centenas de remédios e insumos que foram flagrados vencidos no depósito do Município, na última sexta-feira (23). “A secretária não conseguiu responder as perguntas. No mínimo ela mostrou que não tem controle sobre o que acontece na secretaria de saúde”, afirmou.

“Ela também disse que não sabe o quanto a Prefeitura gastou com esses remédios. Como pode não saber esses valores? Certamente foram milhões, pois as imagens gravadas em fiscalização pelos vereadores mostraram pilhas de caixas de medicamentos vencidos”, acrescentou.

O vereador ainda salientou o fato de que Ozenira admitiu ter consciência do problema dos medicamentos vencidos desde que assumiu a pasta, em outubro do ano passado – inclusive montando uma comissão interna para apurar o fato –, mas sem nunca ter comunicado os órgãos de controle.“Ela sabia da existência dos remédios vencidos. Deveria ter comunicado os órgãos de controle, até para se salvaguardar. O depoimento da secretária mostrou que ela foi omissa”, afirmou.

“A secretária não apresentou quais ações concretas a comissão adotou para cessar o problema [após o início da apuração interna], visto que milhares de medicamentos continuaram tendo o seu prazo de validade vencido, nos meses de novembro, dezembro de 2020, e em janeiro, fevereiro, março e abril deste ano”, apontou.

Segundo Dielmário, a oposição deve requerer uma nova convocação da secretária, do coordenador do Centro de Distribuição de Medicamentos (CDMIC) – onde os insumos foram encontrados –, e da presidente da comissão constituída para apurar o fato internamente. “Isso é necessário visto que o depoimento dado hoje na Câmara foi evasivo e não explicou o porquê da existência de milhares de medicamentos vencidos”, disse.  

CPI -  Os parlamentares de oposição foram surpreendidos, ao chegarem para a sessão, com a propositura de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso dos medicamentos vencidos proposta pelo vereador Lilo Pinheiro (PDT), que integra a base do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). O requerimento já possuía, inclusive, as assinaturas necessárias para ser levado adiante – todos de parlamentares da situação.

Diante disso, segundo Dilemário, o grupo da oposição – formado por ele, Michelly Alencar (DEM), Maysa Leão (Cidadania), tenente-coronel Marcos Paccola (Cidadania) e o vereador licenciado Diego Guimarães (Cidadania) – deve cobrar que pelo menos um deles integre a Comissão.

“Para não caracterizar que a CPI proposta pelo vereador Lilo é uma CPI chapa branca, composta por apenas vereadores que apoiam a gestão do prefeito Emanuel Pinheiro, penso que tem que haver a presença de pelo menos um vereador que fez a fiscalização”, afirmou. “Foi essa iniciativa que trouxe a tona esse escândalo dos medicamentos vencidos. A participação de um dos vereadores da oposição é questão de bom senso”, completou.


Autor: AMZ Noticias com Midia News


Comentários
O Norte Araguaia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Norte Araguaia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias